25 de fev de 2010

Uso indevido da imagem do Cristo Redentor gera ação da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

cristo_cirio

No filme “2012”, do cineasta alemão Roland Emmerich, o Cristo Redentor é destruído junto com outras construções famosas ao redor do mundo.

Segundo declara a assessoria de imprensa da Arquidiocese do Rio de Janeiro, que hoje tem à sua frente o Arcebispo D. Orani João Tempesta, ex-Arcebispo de Belém, o uso da imagem da estátua do Cristo é de propriedade da Igreja, e sua liberação não foi solicitada.

Pelo uso indevido, a Arquidiocese está pedindo indenização à distribuidora Columbia Pictures, responsável pelo filme.

Essa notícia serve de alerta, principalmente para as agências de publicidade: o uso de imagem e som de voz e a cessão de direitos patrimoniais de uso de obras consagradas devem ser sempre previamente negociados entre as partes. É de lei.

Fazendo assim, evitam-se transtornos desnecessários, além do pagamento de multas, muitas vezes milionárias.